Ministério da Agricultura proíbe marcas de azeite sob suspeita de fraude

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

O Ministério da Agricultura (17.11) proibiu a comercialização de nove marcas de produtos de azeite de oliva extra virgem sob suspeita de fraude. A ação do ministério ocorreu após após operação policial em que foram apreendidos mais de três mil frascos. Segundo a polícia, o que era vendido como azeite de oliva extravirgem, seria, na verdade, óleo de soja.

Em nota, o ministério afirma que “os investigados criavam as marcas, supostamente importadas, e colocavam para venda no mercado nacional”.

Seguindo orientação da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) para as entidades estaduais de todo o País, a Associação Catarinense de Supermercados (Acats) fez o alerta a seus associados, para que, caso alguma das marcas citadas estejam em seus estoques ou expostos à venda no estabelecimento, o mesmo informe imediatamente à Superintendência Federal de Agricultura de SC o volume de produto irregular e plano de destruição desta mercadoria junto à empresa habilitada por órgão estadual de meio ambiente ou recicladora de óleos e embalagens.

Marcas proibidas:

Casalberto

Conde de Torres

Donana (Premium)

Flor de Espanha

La Valenciana

Porto Valência

Serra das Oliveiras

Serra de Montejunto

Torezani (Premium)

A ACATS está à disposição para contribuir com o cumprimento das obrigações, através do e-mail [email protected]

Compartilhar.